sábado, 14 de fevereiro de 2015

Continuando o tema do dia dos namorados

Enquanto adolescente sempre vi o dia dos namorados de forma muito romântica.
Porque é assim que vemos nos filmes. Porque via todos os colegas de escola muito apaixonados e a trocar juras de amor eterno. Porque havia postais e peluches e chocolates e coisas que nunca tive e que queria ter.

Depois tive o meu primeiro namorado... que passou o dia 14 de fevereiro sem me dizer sequer nada e que me deixou magoada.

Acabamos.

Fui tendo uns envolvimentos... mas nada de namoro.

Voltei a namorar com o mesmo rapaz. Acreditam que estou aqui a fazer um esforço para pensar se desta segunda vez passamos o dia 14 de fevereiro juntos... e acho que não mas não tenho a certeza! Não devemos ter passado...

Mais uns envolvimentos... nada de sério.

Começo a namorar com o meu ex.
E aqui já foi a valer! No primeiro 14 de fevereiro que passamos juntos, estávamos separados por umas centenas de quilómetros e recebi um ramo de flores em casa. No segundo, fomos jantar fora e disse-lhe que nunca mais queria repetir a experiência. Odiei ir jantar naquele ambiente em que é "obrigatório" estar um casal a fazer frete. Não sei se foi fraca escolha do restaurante mas senti-me tão estupidificada que não queria repetir a experiência.
A partir daí, fazíamos sempre um jantar diferente, tínhamos uma atenção um com o outro mas nada de mais.

Com ele descobri que esta data em concreto não me diz absolutamente nada precisamente porque é massificada e, pode ser cliché, mas nestas coisas não gosto do que é massificado. Gosto do que é único e propriedade apenas daquelas duas pessoas.

E agora estou com o gajo-mor.
Sei que esta data existe e, sinceramente, evito-a. Hoje não quero sair de casa porque sei que vou ser bombardeada com corações vermelhos e cupidos com setas e etc. e NÃO QUERO!
Por isso, estou a ver se o convenço a vir cá a casa para fazermos um programa mais recatado sem que nos enfiem pelos olhos adentro a melice que existe apenas e só neste dia.

8 comentários:

  1. Jantar fora neste dia, nem pensar. Estou contigo. É um ambiente de vomitar.
    Por aqui, no Porto, o tempo está mesmo é para ficar em casa que chove como se não houvesse amanhã. Acho que vai ser esse o programa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu diria que só sair de casa neste dia é de vomitar!
      Sim, o tempo no Porto esteve horrível! O que ajudou a ficar em casa... :)

      Eliminar
    2. Não me digas que és do Porto. Não sabia, sorry.
      Para mim são todos de Lisboa até prova em contrário, lol.
      O Anselmo, do Algarve, diz que sou um centralista.
      Bom Domingo.

      Eliminar
    3. sim, sou do Porto (e não tens de pedir desculpa!). :)

      Eliminar
  2. Há tanta coisa original que se pode fazer sem seguir as regras que o marketing nos dita, e por mais ditados que a vida nos dê, se formos originais, a data (seja a do dia de hoje ou nos restantes dias do ano) certamente ficará na memória. É apenas queimar uns neurónios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu apenas prefiro os restantes 364 dias do ano.... :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. foi um dia como outro qualquer.... o que, confesso, me deixou muito aliviada!

      Eliminar